segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Férias "tiro curto" !



Nunca tivemos oportunidade de folgar durante os dias de semana (exceto feriados), com isso, sempre idealizamos um período de férias acampando, mas nunca foi possível.
Longe de ser o que mentalizamos, um período de mais do que 2 semanas 100% num camping, neste último mês (outubro) conseguimos uma pequena dose desse descanso juntos.

Viajamos para Pomerode, cidade vizinha a Blumenau em Santa Catarina, depois fomos para região serrana do Rio de Janeiro na cidade de Petrópolis, de lá seguimos para Angra dos Reis e logo depois para Paraty. Tudo excelente !
Retornamos para São Paulo e no dia seguinte fomos para Itú/SP, finalmente acampar. Mesmo que por apenas 3 dias; Já que na quinta-feira pré-feriado do dia 02/11 haviamos prometido ir para a casa de parentes em Rio Claro/SP.

O camping escolhido por nós foi o Chapéu de Sol (Estrutura, atendimento e higiene nota 10). Já haviamos acampado diversas vezes lá e sempre ocorreu tudo muito bem.
Meu pais (Danilo) foram juntos para passar o dia, retornariam no mesmo dia no final da tarde.

Ao chegarmos nos deparamos com a sempre costumeira receptividade dos funcionários da portaria. Nos atenderam prontamente e tiraram todas as dúvidas. Deixando livre para acertarmos a conta na entrada ou na saída, resolvemos já pagar as diárias ali mesmo.
Acho muito bacana campings que abrem a famosa conta no bar/lanchonete, lá no Chapéu de Sol é assim, quando fomos almoçar e moça do restaurante já ofereceu essa possibilidade. O que é bom para ambos os lados; Para os campistas, que não precisam se preocupar em ficar levando dinheiro para lá e para cá, e para o comércio em si, que, sem a famosa “botada de mão no bolso” acabam lucrando mais com o descontrole dos clientes.
Almoçamos lá, e durante os outros dias peguei cerveja, gelo e sorvetes sem me preocupar.
No fim, a conta saiu bem barata, ½ do que eu esperava deixa lá.

Para quem ainda não foi no Chapéu de Sol, eu recomendo sem medo de errar.
Hoje é o melhor camping dentre os que nós já conhecemos.

Lembro que esse é um estilo de camping que eu classifico como camping clube, ou seja, há diversas opções de lazer (piscinas, saunas, etc), e onde há essas modalidades é inevitável barulho e certa “muvuca”, porém nada impossível de suportar.

Os frequentadores são respeitosos, educados e sabem bem o horário de manerar nas zueiras, porém, de repente pode aparecer algum grupo desavisado.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Xô cara de...




Com absoluta certeza o principal item que 
você não pode esquecer de levar para um camping é o bom humor.

Curta o que há de bom em cada lugar, aproveite, deixe o que é cinza e chato para outra oportunidade e local; Um camping é destino de alegria, qualidade de vida, bom humor, curtição, papo furado e papo para o ar.
Se o frio, a chuva, o excesso de sol, eventuais perrengues, etc te aborrecem, escolha outra opção de hospedagem. Normalmente para quem está num camping, coisas desse tipo são motivos para risadas e histórias.

Havia tudo para dar certo, mas não deu. Camping Villagio Riviera


Foto: Dunas do Araçá (pertinho do camping)


Era um local plano, arborizado, com excelente denagem, sobra farta e uma praia pouco movimentada do outro lado da rua. Limpa, de areia branca e água cristalina.
Um pequeno quiosque com cerveja gelada, refrigerantes, capirinha etc.
Uma área tão tranquila que em certos pontos fica até a dúvida: “como um local como esses pode resistir a invesão que ocorre na faixa litorânea sul paulistana”.
Tranquilidade, beleza e excelente localização faziam do Camping Villagio Riviera (Ilha Comprida/SP) um local único e relativamente perto de São Paulo.

Pecava apenas pelo camping em si. Um verdadeiro descaso e abandono como já relatamos aqui.

Hoje não sabemos como está lá, talvez tenham encerrado as atividades ou então estão se arrastando para continuar sobrevivendo numa estrutura praticamente abandonada. Mas olhando a figura abaixo do google Street View nos bateu uma baita saudade daquele lugar.


Até quando campings maravilhosos sucumbirão por falta de apoio, fomento ou especulação imobiliária.

Essa galeria de camping bons que fecharam suas portas aumenta a cada dia; Pelas minhas sensações e leituras, atualmente para cada novo camping aproximadamente 10 fecham.




Veja o quão perto estão as Dunas do Araçá do Camping:



quinta-feira, 11 de outubro de 2012


Sempre gostei de coisas criativas, quando envolvem itens para campismo melhor ainda.
E não é que finalmente estão surgindo barracas com desenhos legais.
Outro dia vi uma 2 seconds branca e cinza na Decathlon, linda.
Agora vi essa (gringa) com desenho de um pedaço de melancia.
O projeto é do designer Luke Bonner para a loja de design Field Candy e se você quer uma barraca dessas é bom correr, pois eles só produziram 195 unidades. Agora e o preço? Não é doce eu posso dizer. 

Photo ofPhoto ofPhoto ofPhoto ofPhoto of


If you’re seeking a refreshingly different tent, this will quench you thirst. Unfortunately, it doesn’t count towards one of your five-a-day.  
Luke Bonner
“FieldCandy exists to inject colour, creativity and fun into the camping space by offering a range of totally unexpected designs. We aim to delight our customers and excite anyone who sees our products.”

The FieldCandy Team

Printed and Manufactured in England
£495.00
porch

CLASSIC DESIGN MADE IN THE UK

High performance expedition tent with classic ‘A’ frame storm tent construction. Based on the hardiest expedition tents on the market today, to stand up to extreme weather conditions.

DESIGNER LIMITED EDITION FLYSHEET

100% polyester. Digitally printed. Waterproof to a minimum of 3m hydrostatic head. Fire retardant to EU & US standard. Flex and tear tested. Highly UV fade resistant. Treated with Ultra-Fresh. Coated with fluorocarbon (teflon) for ultimate strength and durability.
zips

Heavy Duty Zip

We only use zips from the worlds leading zipper manufacturer YKK, your flysheet will feature a particularly heavy duty YKK zip with large inner and outer toggle protected by a Velcro zip cover.

Pegging points

FieldCandy tents have extra pegging strong elastic and adjustable pegging points for security and stability, designed to prevent roof dipping and groundsheet rucking, with storm guy lines for extra protection in bad weather.
pegs

Extra strong pegs

Completely different from old fashioned tent pegs, FieldCandy pegs are a new design from hardened aluminum, extra strong, designed not to bend with a handy little hole for your custom peg puller, cool!
Every FieldCandy tent comes with spare tent pegs, so don’t worry if there are pegs left over, even when all the pegging points are full. A hammer comes as standard that saves hurting your foot pushing the pegs in!
poles

Easy set up poles

High quality, high strength, low weight precision engineered Aluminum Alloy poles in silver.
You will be amazed how quick and easy it is to set up the tent poles. Hold each pole at one end, give a little 'wiggle' and they slot together all by themselves. Very clever. They are environmentally friendlier, stronger and lighter than standard poles.
cotton

Breathable cotton Inner Tent

When you breath you create moisture, most modern day tents are made from plastic so there is nowhere for that moisture to go - result misery. FieldCandy's inner tent is 100% natural cotton, that's breathable - result a dry and comfortable nights sleep.

Sewing & Sealing

FieldCandy inner tents are sewn with cotton and the flysheets with treated polyester, both through flat felled seams, which are then seam sealed for maximum performance.
living

Spacious sleeping area

Larger than other two person tents, the light grey interior creates a sleep-inducing environment for a more comfortable night. With a mesh window for ventilation and increased light, along with a lantern hanging point for those dark cosy evenings!
Safe as well, your inner tent is fire retardant to EU and US standard CPAI-84, but please always make sure that all cooking, fire lighting, smoking etc. takes place a safe distance away.
pockets

Lockable storage pockets

No tent can be 100% secure, but most thefts are opportunist - so reduce the risk with your valuables by locking them away in the four pockets that lock with the combination padlocks provided.
There’s masses of other handy storage places, four see-through storage pockets and two mobile phone / MP3 pockets, for all those important bits and pieces.
pockets

Sizes & Weight

Outer dimensions 3.55m (L) x 1.7m (W) x 1.4m (H)
11'8" (L) x 5'7" (W) x 4'7" (H)
Inner dimensions 2.65m (L) x 1.5m (W) x 1.3m (H)
8'8" (L) x 4'11" (W) x 4'3" (H)
Carry bag 0.6m (L) x 0.2m (W) x 0.25 (H)
1'11" (L) x 8" (W) x 8" (H)
Weight including accessories 7.4Kg / 16.3lb
Weight complete tent only 6.3kg / 13.9lb
pockets

Instructions

Although very easy to pitch, FieldCandy tents are supplied with practically indestructible, waterproof instructions just in case!

Owners Manual

Wherever you pitch your FieldCandy tent, expect questions. Your Owners Manual contains many of the answers. It also, of course, tells you how to use and care for your tent.
pockets

Authenticity

FieldCandy certifies that your tent is authentic and one of a limited edition of an exclusive design manufactured and sold in accordance with our policies and standards. This certificate is issued after your tent has passed all quality checks and immediately before it is packed for shipping. It is genuine only if it displays the authorised stamp of Outstanding Tents Limited.

Detalhes, preço e afins em: http://www.fieldcandy.com/yummy/what_a_melon.htm

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

3º Encontro dos Blogs Campistas - Joanópolis/SP (24, 25 e 26/08/2012)


Quando decidimos retomar nossas atividades campistas neste ano, encontrar uma turma que organizava um encontro dos blogs sobre camping veio bem a calhar.
Ficamos um pouco inseguros com relação à receptividade do pessoal, afinal, não sabíamos como funcionavam esses encontros, se era um grupo fechado, se precisavamos cumprir algum pré-requisito, etc.
Mas mesmo assim decidimos participar !

Logo nos primeiros contatos com a turma, ainda virtualmente, todos os receios cairam ao chão.
Imediatamente todos, sem exceção, se mostraram muito receptivos, empolgados com a nossa vontade de participar e divertidos.

A partir daí trocamos algumas mensagens até que combinarmos com o Daniel e com o Tiago de nos encontrarmos no posto Graal de Mairiporã às margens da Rod. Fernão Dias. Pois não sabiamos chegar no camping, e como o Tiago sabia o caminho, nos facilitaria esse “combio”.

O horário combinado foi 20h. No começo da nossa viagem já estávamos apreensivos com o trânsito.
Decidimos sair direto do trabalho, sendo assim, saímos do bairro do Ipiranga por volta das 18:30.
Foi então que, durante bons quilômetros do começo do caminho por São Paulo, quase que por milagre, não paramos em nenhum congestionamento.
São Paulo é um caos numa sexta-feira quente por volta das 17h...acho que isso todos já conhecem.

Decidimos seguir pela Rod. Dutra até a saída para a Fernão Dias; nesse entroncamento toda a calma e paz do trânsito livre acabou.
Um verdadeiro mar de luzes vermelhas invadiu nosso pára brisa. Já era 19:30, restava 30 minutos até chegarmos ao ponto de encontro.

Resumo da ópera: Feito britanicos encostamos o carro no estacionamento do posto de gasolina e desligamos a chave exatamente às 20h.
Foi quando pensei: Como vou saber onde eles estão.

Pegamos o celular e ligamos para o Daniel: “Daniel, tudo bem? É o Danilo. Já chegamos aqui no posto. Vocês estão onde?”
Ele: “Estamos aqui no posto também! Vou descer do carro para você me ver.”
Eu: “Daniel, olhe em linha reta !”.
Conseguimos parar os carros, por coincidência total, a menos de 2 metros. Praticamente janela com janela.

Dali nos apresentamos e pronto, estava feita a conexão. Ficamos conversando (Danilo, Rose, Daniel e Camila) enquanto aguardávamos o Tiago, sua esposa Mariana e o filho deles Pietro chegarem.
Eles chegaram logo depois, foi legal conhecê-los, bons de papo e aventureiros.

Dali seguimos para Joanópolis.

Minhas impressões sobre o caminho (Danilo):

- Fernão Dias à noite não é um dos caminhos mais tranquilos. A quantidade de caminhões é grande e o movimento também. Para quem não está acostumado com isso, prefira viajar de dia. Eu não ví perigo algum, mas pode ser tenso para quem não gosta muito de estradas.
- A saída para Joanópolis é bem sinalizada e fácil. Sem problema algum !
- Após algum período trafegando, haverá um cruzamento (uma intersecção) com a estrada que leva até a cidade. Fácil de identificar no local (pelo google Street View não dá para ver), siga pela esquerda.
- O trecho inicial é bem sinuoso, mas iluminado e bem sinalizado.
- Passará por um bairro (ou seria uma pequena cidade?).
- Dali para frente, a estrada não é mais iluminada e há mais curvas, fortes aclives e declives.
- Chegará a Joanópolis, suba um trecho de paralelepípedo até a 3ª rua, entre nela e siga até o fim, ela se juntará com o trecho de estrada que você deve seguir.
- Nesse novo trecho, mais curvas, subidas e descidas (observando pelo Google, não parece muito longe. Mas por ser muito sinuoso, a velocidade média se torna baixa e com isso demora para chegar).
- Siga sempre pelo caminho asfaltado.
- A entrada para o camping não é muito difícil de identificar. Veja essa ilustração abaixo (vindo pela estrada, seta vermelha).

No camping, logo de chegada conhecemos um casal de amigos do Daniel e da Camila, a Elen e o Reinaldo.
Montamos nossa pequena barraca, uma 2 seconds da Quechua (comprada na Decathlon exatamente para acampamentos de curta duração, uns 2 ou 3 dia) ao lado deles.
E como fizemos com ela da última vez que acampamos, montamos sob um gazebo bem leve que temos da NorthPole (comprado aintigamente no Sam’s Club). Isso ajuda a proteger a barraca do sol e de possíveis dejetos de pássaros e seiva de árvores (isso detona a impermeabilização da barraca; Dica: Se quiser conservar a sua barraca. sempre que possível use algo sobre ela. Pode ser um gazebo, uma lona leve, etc.).


Nossa Quechua 2" sob o Gazebo. (clique para ampliar)

Colchão cheio, cobertores e edredons à postos, tralhas prontas e montadas, hora de explorar o local e fazer amizades.
Durante a noite toda nós 6 (Daniel, Camila, Reinaldo, Elen, eu e Rose) ficamos conversando por horas até que Rose foi dormir lá pelas 23:50 e eu fiquei alí até às 2:15 mais ou menos. O frio estava castigando os menos protegidos. Nós, como fomos preparados, não sentimos muito.
Fui tomar banho àquela hora da madrugada.
No camping Zé Roque, o banho é um atrativo que merece destaque.
A água passa por uma serpentina dentro do fogão à lenha e é armazanada uma caixa d’água. Resumo: Água quentíssima a noite toda.
Tomar banho nesse sistema é algo muito bom, não há barulho e o chuveiro não é do tipo “pinga-pinga”. Fantástico ! 
Finalizando, fui dormir com aquele som do rio passando à nossa "porta". (parece chuva, mas não é...ufa!)

Rio passando na "porta" (Foto diurna, a noite não saiu nada na foto = escuro)

No dia seguinte, nos juntamos novamentes aos vizinhos, nossos novos amigos.

O Reinaldo preparou um café excelente na cafeteira italiana do Daniel. Nota 10, pois o café era feito em porções individuais, o que nos obrigava a esperar bastante tempo pelo próximo café, assim ficamos um bom tempo conversando sobre tudo.

O sábado rendeu bastante, fomos até a queda da Cachoeira dos Pretos, o acesso até ela é excelente. Para quem está acampando, o acesso é livre (não precisa pagar nada).


 O caminho até ela é muito bonito, dentro do camping mesmo (coisa de alguns metros).

Querem saber, chamar tudo aquilo de camping é errado. Na verdade é um ótimo sítio onde há uma área para camping e um complexo com lojinhas, lanchonetes e restaurantes ótimos ao pé de uma cachoeira altíssima e fantástica. Tudo muito bem cuidado e limpo.


Camila e Daniel fazendo ligações (na região não há sinal para celular)

Rose dando uma de mendiga !



Dica: Compre queijos por lá, seja o queijo feito pela esposa do Zé Roque ou na Casa de Pães que está cituada ali perto (telhado redondo verde).

 
 
Tem até umas cachacinhas ali...




 Aproveitamos para destacar a receptividade, bom humor e cordialidade da Cristina, ela em todo momento estava disposta a nos ajudar e nos atender bem. Excelente pessoa !


Após essa passeio inicial, bateu uma fome. Voltamos ao gazebo para mais churrasco.


Daniel e o seu inseparável Narguile !



Reinaldo, o churrasqueiro oficial !

Ficamos nesse ritmo até o fim do dia.


No domingo, logo pela manhã, novo café bem gostoso (compramos um queijo por lá e preparamos com pão - recomendamos)

Um pouco depois, o Ricardo do blog Camping e Família (campingefamilia.blogspot.com) promoveu o sorteio dos prêmios da Mundo Terra (www.mundoterra.com.br), nosso apoiador.



Os ganhadores !

Muita gente ganhou, a Rose mesmo faturou uma barraca de 2 lugares bem legal !

 Após o sorteio, decidimos partir para o topo da cachoeira graças ao convite do nosso amigo Jonas (Jaime).
Uma subia e tanto, difícil e cansativa com sol na cabeça, mas compensatória.

 Rose se preparando para encarar a subida !

Chegamos na primeira queda !



Visual lá de cima !



Água geladíssima !






Alguns preferem subir de Jeep !
 

 Após todo o sacrifício da subida, o visual compensou. Recomendadíssima a subida, seja de Jeep, cavalo ou à pé (não vá de cavalo, ele não precisa sofrer por você - Não judie dos animais).

Importante: Tenha muito cuidado na descida. O terreno é arenoso e repleto de pedras já arredondadas por tanto atrito com os pneus dos jeeps. Isso faz com que seja escorregadio e perigoso.

A afirmação acima se fez necessária pois, de tudo que estava acontecendo de maneira maravilhosa, no fim do dia ocorreu uma coisa muito ruim.
A Camila, namorada do Daniel, escorregou na descida e sofreu um grave acidente.
Ela fraturou o pé (já foi operada e passa bem).

Registrei esse momento triste (não queria publicar essas fotos, mas acho que servirão de alerta):

O Daniel subiu para chamar um Jeep para nos ajudar !




Que sirva de lição. CUIDADO PARA DESCER MONTANHAS
A DESCIDA É MAIS PERIGOSA QUE A SUBIDA.

Em resumo, foi um final de semana excelente, com tudo o que poderia acontecer de bom; Ótimas companhias, diversão e muitas paisagens bonitas.



Até a próxima !